A loja da esquina

Tjinder Singh, líder do Cornershop: rock indie-indiano, literalmente

Tjinder Singh, líder do Cornershop: rock indie-indiano, literalmente

E por falar em domingo em Camden Town, assistimos lá a um showzásso de uma das minhas bandas preferidas, o Cornershop. Quando estive em Londres pela primeira vez, em 1998, comprei alguns CDs desses caras e não parei mais de ouvir. O grande barato deles é misturar o indie pop britânico com uma pegada de música indiana. Liderados pelo vocal e letrista Tjinder Singh, o Cornershop faz uma alusão ao estereótipo clássico dos indianos na Inglaterra, que são os habituais donos e atendentes das lojinhas de esquina, sobretudo em Londres. Suas letras às vezes passam pelo discurso social, combinando maravilhosamente uma guitarrada Gibson com cítaras. Genial:

O grande barato do Cornershop é o efeito psicodélico da cítara em cima de um pop simples e direto

O grande barato do Cornershop é o efeito psicodélico da cítara em cima de um pop simples e sem frescura

DSC_0323

A banda começou a tocar em 1991 e acabou de desmachando no  início dos anos 2000. Essa foi a primeira apresentação dos caras em sete anos, para o lançamento de um novo álbum, “Judy sucks a lemon for breakfast”. Showzásso, aliás, é maneira de dizer: tocaram num lugar pequeno e tradicional, o Jazz Café, para no máximo 300 pessoas e a preços bem honestos. O bacana é que a base do repertório foi do melhor álbum deles, “When I was born for the 7th time”, de 97. Uma das faixas é uma versão preciosa de Norwegian Wood, dos Beatles, em indiano. Pra quem não conhece, recomendo muito o download.

Na minúscula platéia havia ainda algumas figurinhas carimbadas do freak folk, que anda bem na moda ultimamente. Sem se desgrudar um minuto estavam Devendra Banhart (tenho quase certeza absoluta), sujeito que entre outras excentricidades é fã de Caetano Veloso, e Josh Weller, um garoto bem bacana que tive oportunidade de ouvir num showzinho em Madri.

Na página oficial do Cornershop, dá para conferir algumas novidades, entre elas o clipe da nova “música de trabalho”, “Who fingered rock and roll”:

Sou suspeito pra falar, mas o pop indie-indiano do Cornershop vale uma boa conferida com calma. São a cara de Londres!

Camden Town

Feira de Camden Town: programa obrigatório aos domingos (de sol)

Feira de Camden Town: programa obrigatório aos domingos (de sol)

Essa consta em todos os guias de turismo, mas mesmo assim não deixa de ser um programa para quem gosta de fazer algo alternativo além do roteiro básico de museus, praças, etc. A feira de Camden Town rola todos os domingos e ocupa uma área enorme na zona norte de Londres, perto dos canais. Tem de tudo, uma mistura de brechó, sebo, barracas de quinquilharias, roupas moderninhas, antiquários e souvenirs pouco convencionais. Logo de cara, por exemplo, você pode conferir uma loja de roupas fosforescentes para a rapaziada que gosta de brilhar nas baladas tecneiras:

DSC_0483

Reparem nessa fantástica batera feita com caixa de isopor

Como em qualquer lugar em Londres onde rola uma aglomeração com mais de seis pessoas, tem sempre alguém  tocando ao vivo. Nesse caso, um trio de folk rock com som bem competente, Beatles, Credence e outros hits caipiras dos anos 70 no repertório. O destaque indiscutivelmente vai para o batera, que improvisou um bumbo com caixa de isopor, um tom pequeno no lugar da caixa e um prato em frangalhos. Pior é que o efeito ficou incrível!

Além do som ambiente, dá também para comer nas inúmeras barraquinhas típicas – uma com arroz e feijão brazuca, inclusive – usando garupas de vespa como praça de alimentação:

DSC_0571

O bacana de Camden Town é que além do clima alternativo, tem uma uma vista ótima do canal, onde a rapaziada faz longas caminhadas, ou simplesmente senta para tomar um boa pint de cerveja gelada e aproveitar as raras tardes de sol que aparecem vez ou outra:

DSC_0551

DSC_0593

Roqueiros até morrer

Tiozões do The Electric Skulls, tocando no Blue Peace Festival

Tiozões do The Electric Skulls, tocando no Blue Peace Festival

Depois de conferir a garotada no South Park Gardens Festival, foi a vez de encarar os tiozões. Sob o pretexto de defender os animais silvestres o Blue Peace Festival chega à sua décima edição reunindo a velha guarda dos blueseiros amadores de Londres. Colado no Tâmisa, no Victoria Embankment Gardens, o evento não poderia ser mais improvável. Usando provavelmente um palco cedido pela prefeitura, o espaço oferecia até cadeira de praia em plena praça pública:

"Moçada" bem descontraída, ouvindo os veteranos do blues

"Moçada" bem descontraída, ouvindo os veteranos do blues

Quando chegamos estava começando o The Electric Skulls, que fazia um rockão com ambições a ZZ Top, até com duplas de guitarras oitavadas e tal. Real Man explica bem como funciona a coisa.  Embora o guitarrista barrigudão da foto acima mandasse bem, o batera parecia estar começando a aprender depois dos 60 e a vocalista desafinava que era uma beleza:

The Electric Skulls outras vez, com sua levada hard rock americana

The Electric Skulls outra vez, com sua levada hard rock americana

Bem, quem se importa com tudo isso? O que vale é o espírito roqueiro, diríamos….

Logo depois Nick, o organizador da balada, chamou a rapaziada para uma jam session, que leva o nome oficial de Blue Peace. Tocando gaita na foto abaixo, o tal do Nick é metido a gozador e gosta muito de fazer trocadilhos. Acho que Got my modem working (pegaram?)  explica tudo:

Blue Peace em ação: jam session um pouco confusa, mas bem divertida

Blue Peace em ação: jam session um pouco confusa, mas bem divertida

Justiça seja feita, o festivalzinho terminou em altíssimo estilo com King David, sujeito com uma incrível guitarra de pelúcia que arregaçou num som anos 50. Cantava com o sotaque caipira do Buddy Holly e tinha um timbre de surf guitar com alavanca no melhor estilo Stray Cats, só que menos porrada. Afinal, o cara era acompanhado apenas por um neguinho no baixo de pau que mandava muito bem. Sensacional, resumindo. Vale dar uma sapeada na página dele no MySpace.

King David e sua guitarra de pelúcia: o rei dos acordes chorados com alavanca

King David e sua guitarra de pelúcia: o rei dos acordes chorados com alavanca

É isso aí: se o resultado era irregular, pelo menos os tiozões londrinos mostram que espírito roqueiro é o que não falta nessa terra. “I’m gonna rock ’til I die”🙂

Rockeiros desde criancinha

Diz o chavão que o Brasil é insuperável no futebol porque a molecada praticamente nasce com a bola no pé. Se essa máxima valer para o Rock´n´Roll, tá aí a razão pela qual ninguém fabrica mais bandas por metro quadrado que a Inglaterra.

O primeiro programa que fizemos logo na chegada a Londres foi ir a um festivalzinho chamado South Park Gardens Music Festival. Rolou em South East, Wimbledon, um subúrbio confortável de classe média a menos de meia hora de trem do centro de Londres. O interessante da proposta é que todos os grupos vinham da região e eram formados por integrantes abaixo dos 22 anos. Sábado de sol – coisa que verificamos ser uma raridade por aqui – e o clima era de adolescentes na grama, casais jovens com filhos pequenos e caras vendendo sanduíches de linguiça “orgânica”.  Tudo muito bucólico e família:

Molecada aproveitando o sol no embalo das bandinhas do bairro em Wimbledon

Molecada aproveitando o sol no embalo das bandinhas do bairro em Wimbledon

DSC_0435A coisa era bem caseira, começou com uma insólita apresentação de músicos infantis, a maioria cantoras mirins, mas a uma certa altura entra um meninote de 12 anos esmirilhando um blues-rock. Não me surpreenderia se visse esse garoto daqui a uns anos bancando de guitar heroe numa banda de tocar em estádio🙂

Na sequência entraram várias bandinhas locais. Na faixa dos 16 anos, o Paint of State me surpreendeu (confiram a faixa I know that I can keep them). Sonzinho inocente, cru ainda, mas com uma pegada indie bem legal:

Roquinho indie do Paint of State

Roquinho indie do Paint of State

DSC_0456Apesar da estrutura minúscula, o festival tinha dois palcos, um dedicado a música mais acústica. Com visual de menino-lenhador, a cantora adolescente Astrid Gustafsson Wood mandou legal com um repertório de canções folk, na linha letras longas e profundas. Chemical Relief é bem bonita.

O festival seguiu com muita porcaria e acabamos desistindo de ficar por ali mais tempo. Mas na reta final tinha ainda pelo menos outras duas bandinhas interessantes, The Jacobites (What´s the point), que promete com uma levada oitenteira; e The Wintermen, com produção bem acima da média, em busca da balada perfeita na linha Coldplay, essa praga com tecladinho pegajoso que contaminou toda a cena pop atual. A canção Nothings built to last mostra que os garotos bem que podem emplacar.

No geral, o festivalzinho foi fraco, mas valeu pra sentir como os caras por aqui levam a sério esse tal de Rock´n´Roll e estimulam a molecada desde cedo.

Matéria sobre Cine Espanhol na Revista da Cultura

Raul San Miguel, um dos grandes amigos que fiz em Madri, estudou cinema na Alemanha e agora tenta a sorte na difícil panelinha do audiovisual espanhol

Raúl Fernández San Miguel, um dos grandes amigos que fiz em Madri, estudou cinema na Alemanha e agora tenta a sorte na difícil panelinha do audiovisual espanhol

A maquininha de frilas não pára. É economia, educação, gripe suína, chegada do Kaká, Marrakech e agora cinema. Depois da cobertura do novo filme do Almodóvar, saiu agora uma matéria sobre os novos cinestas espanhóis na Revista da Cultura. Uma pena que tive muito pouco espaço. Nem conseguiram aproveitar as fotos ma-ra-vi-lho-sas de Almodóvar e Penélope Cruz ou do meu grande amigo Raúl Fernández San Miguel, jovem cineasta madrilenho (por acaso nos conhecemos no Marrocos), que depois te der feito um belo documentário financiado na Alemanha, tenta viabilizar seus primeiros trabalhos na Espanha.  Pra quem curte, uma passada rápida no que anda rolando na sétima arte por aqui.

Guia de Marrocos no UOL Viagem

Monte Atlas no álbum de fotos do UOL Viagem

Monte Atlas no álbum de fotos do UOL Viagem

Publicado o primeiro trabalho em dobradinha com a Iris no UOL Viagem, o Guia de Marrakech. Sem falsa modéstia, legal mesmo ficou o álbum de fotos.

Em breve tem mais, aguardem🙂

Londrinas

DSC_0405Semaninha agitada. Chegamos quinta-feira passada em Londres para uma temporada durante todo o mês de julho. A idéia é curtir o verão, ouvir música de graça nos pubs e parques, tentar falar um pouco de inglês depois de meses de trevas idiomáticas na Espanha, andar por aí e vagabundear na cidade mais cosmopolita do planeta.

A chegada foi uma tremenda correria, como é típico nesse esquema de vôos low cost, aeroportos na casa do c…. e tudo mais. O mais bacana é que depois de algumas semanas garimpando na internet, conseguimos alugar um flat (um bom e – principalmente – velho quarto e sala) em Notting Hill, bairro super bem localizado, perto do Holland Park e da famosa Portobello Road. Não, não esbarramos ainda com o Hugh Grant e a Julia Roberts….se bem que foi esse o primeiro filme que tava passando na TV quando chegamos🙂

Estamos instalados na Landbroke Grove, rua larga, cheia de antigos edifícios residenciais e jardins fechados. Essa é a entrada do nosso prédio, tudo muito, muito britânico:

DSC_0400a

Esse é o carrinho que “mora” na porta do nosso prédio

DSC_0395b

O curioso é que estamos pagando menos aqui de aluguel do que para morar na Santo Amaro de Madri. Com todas as contas incluídas, trocentos canais de TV digital e internet de boa qualidade. Talvez isso ajude explicar porque a Espanha está  afundada numa das piores crises em toda a Europa.

Bem, o apê não super confortável, mas apesar de bem velhinho está reformado e tem tudo o que a gente precisa, principalmente a boa loalização na zona 2 e acesso a várias linhas de ônibus e metrô:

DSC_0411

Além de ter seu charme, como floreiras na janela e uma bela vista ao pôr-do-sol

DSC_0470

DSC_0474

Mas nem tudo são flores (pegaram? pegaram?). O verão aqui é uma mentira: chove pra cacete e mal dá pra sair de casa sem blusa. A combinação libras estrelinas X conta bancária em fim de carreira também não permite longos happy hours nos pubs sensacionais espalhados por toda a cidade. Além disso, me enrolei com algumas matérias encalhadas desde Madri, o que me obrigou a perder tempo essa semana…trabalhando, vejam que desgraça.

Assunto – e fotos – não vão faltar. O Madrilenhas se traveste temporariamente de Londrinas e em breve traz mais novas desse país onde o princípe quer ser tampax o craque de futebol usa calcinha. Ah…os ingleses…..