Arquivo da tag: wimbledon

Rockeiros desde criancinha

Diz o chavão que o Brasil é insuperável no futebol porque a molecada praticamente nasce com a bola no pé. Se essa máxima valer para o Rock´n´Roll, tá aí a razão pela qual ninguém fabrica mais bandas por metro quadrado que a Inglaterra.

O primeiro programa que fizemos logo na chegada a Londres foi ir a um festivalzinho chamado South Park Gardens Music Festival. Rolou em South East, Wimbledon, um subúrbio confortável de classe média a menos de meia hora de trem do centro de Londres. O interessante da proposta é que todos os grupos vinham da região e eram formados por integrantes abaixo dos 22 anos. Sábado de sol – coisa que verificamos ser uma raridade por aqui – e o clima era de adolescentes na grama, casais jovens com filhos pequenos e caras vendendo sanduíches de linguiça “orgânica”.  Tudo muito bucólico e família:

Molecada aproveitando o sol no embalo das bandinhas do bairro em Wimbledon

Molecada aproveitando o sol no embalo das bandinhas do bairro em Wimbledon

DSC_0435A coisa era bem caseira, começou com uma insólita apresentação de músicos infantis, a maioria cantoras mirins, mas a uma certa altura entra um meninote de 12 anos esmirilhando um blues-rock. Não me surpreenderia se visse esse garoto daqui a uns anos bancando de guitar heroe numa banda de tocar em estádio 🙂

Na sequência entraram várias bandinhas locais. Na faixa dos 16 anos, o Paint of State me surpreendeu (confiram a faixa I know that I can keep them). Sonzinho inocente, cru ainda, mas com uma pegada indie bem legal:

Roquinho indie do Paint of State

Roquinho indie do Paint of State

DSC_0456Apesar da estrutura minúscula, o festival tinha dois palcos, um dedicado a música mais acústica. Com visual de menino-lenhador, a cantora adolescente Astrid Gustafsson Wood mandou legal com um repertório de canções folk, na linha letras longas e profundas. Chemical Relief é bem bonita.

O festival seguiu com muita porcaria e acabamos desistindo de ficar por ali mais tempo. Mas na reta final tinha ainda pelo menos outras duas bandinhas interessantes, The Jacobites (What´s the point), que promete com uma levada oitenteira; e The Wintermen, com produção bem acima da média, em busca da balada perfeita na linha Coldplay, essa praga com tecladinho pegajoso que contaminou toda a cena pop atual. A canção Nothings built to last mostra que os garotos bem que podem emplacar.

No geral, o festivalzinho foi fraco, mas valeu pra sentir como os caras por aqui levam a sério esse tal de Rock´n´Roll e estimulam a molecada desde cedo.

Anúncios